Lançamento de Holy Hell, indie português, previsto para finais de 2020

Capa do jogo Holy Hell

Quatro alunos universitários portugueses encontram-se a desenvolver um jogo single player para a PlayStation 4 e PC intitulado Holy Hell. Trata-se de um jogo de ação e aventura com perspectiva top-down que vivifica a pós-morte de um pequeno ser que viveu uma vida repleta de azar e decide vingar-se de Deus, o único culpado, com a ajuda de uma gigante espada e poderosas habilidades.

Joga no corpo de Nomed e explora todos os cantos do Céu, esventra seres angelicais e aniquila seres míticos como as Sete Virtudes neste jogo de ação e aventura épico.

No seguimento de uma vida repleta de azar, Nomed acorda no inferno após ter caído de uma falésia em cima de um bebé. Consumido por uma raiva colossal, Nomed decide culpar Deus por todo o azar que já sofreu e vingar-se, contando ao Diabo o seu plano de invadir o Céu e matar tudo e todos os que se meterem entre si e Deus. Extasiado, o Diabo não hesita em dar-lhe a sua espada e encaminhá-lo para os portões do Céu para que possa pôr em prática a sua vingança.

O jogo passa-se no Céu, onde o jogador tem ao seu dispor uma espada gigante e diversas habilidades que poderão ser desbloqueadas ao avançar no jogo. O gameplay é composto maioritariamente de exploração e combate, englobando características de hack’n’slash e puzzles. No mundo estão situadas sete zonas, cada uma delas com um Boss – os Bosses são as Sete Virtudes cristãs, que o jogador terá que derrotar para converter nos Sete Pecados.

Porquê Holy Hell? – O Holy Hell é composto por diversas peculiaridades que o tornam um jogo destacável:

  • Sistema de combate único – O sistema de combate combina ataques e combos com habilidades. Porém, o que o torna realmente único é uma das habilidades mais notáveis o “Empalar”, que permite espetar inimigos e objetos na espada e faz com que os ataques variem de acordo com os inimigos empalados. Ela dá aso ainda a diferentes tipos de interações com o mundo, sendo uma feature com um potencial enorme e é nela que maior parte do gameplay se foca.
  • Tema narrativo incomum e pouco explorado em jogos, mas com muito potencial – Será Deus uma entidade inteiramente pura e benevolente?
  • Mundo abstrato, fornecendo grande liberdade criativa – o jogo decorre no Céu, que não tem nenhuma representação precisamente provada. Isto permite construir um mundo com estruturas, entidades e natureza completamente abstratas.
  • Estética visual incomum – dado o tema abstrato de que o nosso jogo trata, apropriámos uma estética única que conta com cores douradas (flora), brancas (nuvens) e azuis (cascatas e riachos) para um mood sereno e uma estética ornamentada.
  • Contraste elevado entre cute e goryA arte do mundo está trabalhada para passar uma sensação de calma, pureza e pacificidade, porém, isso muda quando o jogador começa a pôr em prática os seus dotes de combate. Todo o combate gera imenso sangue, cadáveres desmembrados, órgãos e todo o tipo de gore que causa um notável contraste entre o cenário previamente calmo e a calamidade em que ele se converteu.
  • Progresso não-linear – O jogador tem sempre diversos caminhos a escolher neste mundo semi-aberto, não sendo obrigado a seguir um progresso linear. Jogadores diferentes podem jogar o jogo por uma ordem e um percurso diferentes.

Quem quiser pode acompanhar o desenvolvimento através da página do jogo ou então no Twitter.

Se gostam dos nossos contéudos deixem o vosso Like na nossa página do Facebook. Podem também seguir-nos no Instagram ou Twitter. Adicionem a GameHub.pt aos vossos favoritos no Google News e acompanhem semanalmente o nosso Podcast.