Review: Resident Evil 3 Remake

protagonistas de resident evil 3 remake
  • Plataformas: PS4, XB1, PC
  • Género: Ação, Terror
  • Lançamento: 3 abril 2020
  • Produtora: CAPCOM
  • Editora: CAPCOM

A CAPCOM está de volta em grande, com lançamentos recentes como o fenomenal Devil May Cry 5 e o aterrorizante Remake de Resident Evil 2. Agora é a vez do Remake de mais um clássico, Resident Evil 3.

O original, Resident Evil 3: Nemesis foi lançado originalmente na Playstation 1 em 1999. Este jogo é o terceiro jogo da série de terror da Capcom, e os eventos deste jogo passam-se antes e depois de Resident Evil 2 Remake. A versão da Playstation 1 é no estilo terceira pessoa, no entanto tem “câmaras fixas” em vários pontos do mapa, e fundos pré-renderizados. E este jogo teve um grande sucesso comercial, tendo sido o jogo mais vendido nos Estados Unidos durante as duas primeiras semanas de novembro de 1999.

O Remake deste clássico foi revelado em dezembro do ano passado, e prometeu trazer gráficos completamente renovados e jogabilidade em terceira pessoa, mas desta vez com câmara no ombro da personagem.

Resident Evil 3 Remake - Official Announcement Trailer

Características de RESIDENT EVIL 3

  • Campanha de 7 horas (19 horas para 100%)
  • 15 capítulos de campanha
  • 5 modos de dificuldade
  • Boa variedade de inimigos
  • Grafismo impressionante

Campanha com História Cativante

Esta campanha começa nos eventos anteriores aos passados por Leon e Claire no Resident Evil 2. Ao contrário do jogo lançado o ano passado, Resident Evil 3 não oferece campanhas selecionáveis diferentes, sendo uma narrativa bem mais linear do que no jogo anterior, uma decisão do qual sou fã, pois também permite que haja menos ‘furos’ na história do jogo e na sua ordem.

Começamos a campanha com a personagem principal – Jill Valentine, a ex-agente de S.T.A.R.S (Serviço de Resgate e Táticas Especiais) em Racoon City. No início do jogo, Jill encontra uma outra personagem, que será fucral no desenvolvimento da história, Carlos Oliveira, um soldado da U.B.C.S (Serviço de Contramedida de Risco Biológico da Umbrella).

Carlos, ao contrário do que se passou com personagens do jogo anterior (Resident Evil 2), não tem uma campanha à parte, portanto jogamos com ele em certas parte deste terceiro capítulo da série, e a participação deste é maior do que no jogo original.

Carlos Oliveira
Carlos Oliveira tem um papel mais importante no Remake do que no Original.

A Capcom oferece neste jogo uma campanha excelente, e bem mais consistente do que a que encontramos no Resident Evil 2, no entanto esta é apenas uma campanha. E para os fãs que gostaram de poder jogar duas (ou mais) vezes o jogo anterior com personagens diferentes, poderá ficar desapontado e pedirá mais conteúdo.

O tempo para completar a campanha poderá variar entre 6 a 8 horas, no meu caso, a duração foi de 7h:10m (vendo as cenas da história), e explorando o mapa por colecionáveis, o que poderá desapontar mais uma vez, pois o jogo custa 60€ (em Portugal) no lançamento. 60 euros para, potencialmente 6 horas de campanha (caso sejas rápido) poderá ser algo a reconsiderar para muitos jogadores, mas para quem tem intenções de rejogar o jogo (em outras dificuldades) ou é grande fã desta série, deverá ficar bem servido.

Jogabilidade de Ação/Terror Excecional

A jogabilidade de Resident Evil 3 é um dos seus pontos mais fortes e de destaque. Tal como o jogo anterior da série, temos a câmara atrás do ombro da personagem, e neste jogo encontramos os controlos extremamente responsivos. As mecânicas do jogo são outro ponto a seu favor, e temos duas personagens com duas personalidades diferentes, e com formas diferentes de jogar:

Jill Valentine: focada na sua agilidade, tem a habilidade de esquivar dos ataques dos inimigos (zombies e outros), e caso esta mecânica seja utilizada no momento certo, vemos o feedback do sucesso no movimento, e ao mirar para o inimigo, a mira foca automaticamente no seu ponto fraco, o que traz uma enorme vantagem para os jogadores que se focarem a melhorar o seu timing.

Jill Vallentine
Jill mostra agilidade nas suas mecânicas.

Carlos Oliveira: é mais agressivo no uso da sua mecânica, aqui Carlos é capaz de dar um ataque com o ombro, que quando é efetuado no momento certo (aqui entra novamente o timing de carregar no botão), dá um soco poderoso contra o inimigo, capaz de deitar abaixo qualquer zombie.

O jogo tem, sem dúvida, mais ação do que o seu antecessor, e junta a ação com o terror da melhor forma possível, atingindo um equilíbrio entre os dois que merece ser celebrado. Temos um jogo bem mais linear, explosivo e cativante do que Resident Evil 2 Remake.

Os puzzles são mais escassos, sendo apenas necessário procurar alguma chave, bateria, entre outros, ou interagir com certos itens. Apreciei bastante esta componente, e agradeço à Capcom por não ter exagerado nos puzzles e ter quebrado a fluidez da campanha, algo que alguns fãs podem ou não gostar, dependendo da sua vontade de fazer puzzles nos jogos de Resident Evil.

Um dos puzzles de resident evil 3 remake
Um dos puzzles principais do jogo, encontra-se no início.

A exploração no jogo fez-me lembrar do meu jogo favorito – The Last of Us, que incentiva o jogador a procurar por qualquer munição, arma ou itens de saúde para que estes possam ajudar durante a campanha. É uma parte crucial no jogo e que é incentivada pela forma que o mapa está realizado ao longo da campanha.

O Retorno de Nemesis

Não é por nada que o jogo original de 1999 se chama Resident Evil 3: Nemesis. Este inimigo só pode ser comparado a um exterminador implacável que vai atrás do jogador sempre que possível. É absolutamente aterrorizante quando este inimigo surge no ecrã e ouvimos a música a explodir.

É possivelmente a personagem mais imprescindível do jogo, pois é este que estabelece o terror. Nemesis é uma constante durante toda campanha, no entanto, apenas no início (e final) do jogo é utilizado da forma que devia, sendo que é necessário pensar e resolver problemas na campanha enquanto fugimos deste inimigo para podermos escapar. Quando este ele aparece nas outras partes do jogo, embora seja igualmente intimidativo, a forma de escapar é mais linear e fácil de atingir.

jill contra nemesis
As batalhas contra Nemesis são explosivas.

No entanto, as várias batalhas que temos com o Nemesis durante o jogo são extremamente bem feitas, com a utilização de várias mecânicas para o ‘derrotar’. Além disso, a Capcom utiliza Nemesis para várias supresas durante a campanha que certamente vão interessar aos jogadores, e que torna a experiência única, quando comparada a outros jogos de terror. 

Gráficos e Áudio

Os gráficos de Resident Evil 3 são excecionais. Joguei-o na Playstation 4 Pro e a sua performance foi fenomenal durante toda a experiência. Os 60 frames por segundo são impecáveis e a resolução é de 1620p (com checkerboarding para 4k) mostra ser limpa e capaz de manter a performance estável.

Voltamos a ver o RE Engine a demonstrar as suas capacidades, motor de jogo que construiu mundos como Devil May Cry 5 e Resident Evil 2 Remake, e vemos ainda mais melhorias.

Jill Valentine no comboio
A iluminação é um dos destaques deste grafismo excelente em Resident Evil 3 Remake

A iluminação é umas das melhores que já vi em qualquer jogo. Desde entrar numa sala do hospital e existir apenas uma luz acesa num canto do chão, o que permite ver a sombra enorme do zombie, tornando a ambientação ainda mais assustadora. Os modelos das personagens também foram melhorados, algo que se nota também nas cenas da história (estas surpreendentemente, também correm a 60 frames por segundo), e dá para notar o suor da personagem, qualquer ferida que tenha, e quando é atacada, nota-se um detalhe enorme em qualquer dano no seu corpo.

O áudio também merece destaque, e é mais uma vez impecável, sendo que o jogador pode (e deve) guiar-se pelos sons dos zombies, e ter em atenção sempre que abre uma nova porta, ou entra num novo corredor. A música normalmente aumenta quando aparece o inimigo principal do jogo – Nemesis, e cria uma enorme ansiedade ao jogador, o que o obriga a procurar um posto seguro imediatamente após a ouvir. É perturbadora em certos momentos, e adiciona à ambientação do jogo.

Conclusão: Mais uma vitória para a Capcom

Resident Evil 3 Remake mostra mais uma vez a competência da Capcom de fazer desta série um pilar nos jogos de terror.

Pontos Positivos:

  • Excelente campanha
  • Gráficos impressionantes
  • Jogo linear e consistente
  • Batalhas intensas e arrepiantes
  • Incentiva à exploração
  • Rejogável (novas dificuldades e formas de jogar)

Pontos Negativos:

  • Alguns dos encontros com Nemesis são desapontantes
  • Alguns diálogos do jogo
  • Jogo curto (5 a 8 horas de campanha)

Nota: A chave do jogo para a PS4 Pro foi amavelmente cedida à GameHub.pt pela EcoPlay, a quem desde já deixamos o nosso obrigado.

Se gostam dos nossos contéudos deixem o vosso Like na nossa página do Facebook. Podem também seguir-nos no Instagram ou Twitter. Adicionem a GameHub.pt aos vossos favoritos no Google News e acompanhem semanalmente o nosso Podcast.

REVIEW GERAL
Muito Bom
8