Downward Thrust analisa o que é para si o jogo da década: The Witcher 3: Wild Hunt.

Eu não podía estar mais de acordo com ele. Joguei-o duas vezes e no futuro vou jogar muitas mais. A primeira vez joguei no PC e a segunda na Xbox One X e adorei cada momento com o jogo. Para mim Witcher 3 está num patamar que nenhum outro jogo atingiu e Downward Thrust explica o porquê.

Os “quase” jogos da década!

Dark Souls

Disponível para PC, PS4, PS3, Xbox One, Xbox 360 e Nintendo Switch

Começa por olhar para Dark Souls como um dos jogos que conseguiu criar o seu subgénero: Souls Like (jogos como Bloodborne, Sekiro: Shadows Die Twice ou Code Vein) no entanto o início deste género foi no Demon’s Souls e que apenas Dark Souls foi o aprimoramento da fórmula com uma melhoria no sistema de regeneração de vida para prevenir o abuso das poções, uma melhoria no combate de forma a torná-lo mais responsivo e o posicionamento da câmara que tornou a experiência mais agradável. Isto fez com que a indústria olhasse para Dark Souls como o “pai” deste género.

The Legend of Zelda: Breath of the Wild

Disponível para Nintendo Switch e Wii U

O próximo jogo abordado é The Legend of Zelda: Breath of the Wild. Numa indústria cada vez mais virado para o grind e das típicas missões que são apenas seguir ícones no mapa, Breath of The Wild não é assim pois o mundo é expansivo e com muito conteúdo interessente. O mundo está recheado de cidades, masmorras, santuários e colecionáveis. Para além disso a arte utilizada neste jogo é superba. Eu que o diga que tive oportunidade de experimentar na Nintendo Switch e é simplesmente o jogo mais bonito que já joguei naquela consola.

God of War (2018)

Disponível para PS4

Outro forte candidato seria God of War. Para além de em aspetos técnicos ser uma obra de arte, a história ser interessante, as personagens serem memoráveis e o combate ser eficaz, o impacto que teve na indústria também é algo a ter em conta. Nos finais de 2017, a Eletronic Arts fechou a Visceral Games que estava a produzir um jogo de Star Wars single-player. Uma das razões para isto foi a EA achar que os jogos single-player estariam mortos. Logo no ano seguinte chega-nos God of War que para além da crítica e jogadores adorarem-no, ganhou o prémio de Game of The Year nos Game Awards 2018. Os single-player nunca morreram.

God of War Wins Game of the Year | The Game Awards 2018

O jogo da década: Witcher 3

Disponível para PC, PS4, Xbox One e Nintendo Switch

Game of the Decade: The Witcher 3

Apesar de Downward Thrust escolher Witcher 3 como o seu jogo da década, este fala-nos que nem Witcher 3 é perfeito e enumera alguns pontos fracos:

  • Os movimentos (principalmente dentro de casas) são desajustados
  • No combate Geralt parece uma pena pois movimenta-se a uma velocidade estonteante
  • Quando estamos com o Roach a probabilidade de batermos contra algum objeto é elevada
  • A história de Nilfgaard é pouco desenvolvida
  • Os vilões da Wild Hunt não são personagens memoráveis
  • O sistema de alquimia parece que foi adicionado já depois de o jogo estar feito

Apesar das suas falhas, Witcher 3 é visto como o jogo da década porque sente-se que todo o jogo foi feito com carinho e imersão como objetivo principal. Cada missão não é apenas uma missão de “vai ali, mata aqueles inimigos e volta para eu dar-te uma recompensa”. Cada missão é interessante, instigante, cheia de conteúdo e personagens apelativas.

E para ti qual é o jogo da década? Concordas com Downward Thrust? O que leva um jogo a ser jogo da década? Deixa o teu comentário!

Se gostam dos nossos contéudos deixem o vosso Like na nossa página do Facebook. Podem também seguir-nos no Instagram ou Twitter. Adicionem a GameHub.pt aos vossos favoritos no Google News e acompanhem semanalmente o nosso Podcast.