• Plataformas: PC, Xbox One.
  • Gênero: Aventura gráfica, Episódico, Interativo
  • Lançamento: 27 de agosto de 2020
  • Estúdio: DONTNOD Entertainment
  • Editora: Xbox Game Studios
  • Preço: 29.99€

Começo esta review por confessar que sou fã assumido dos jogos que a DONTNOD tem vindo a lançar desde 2013 com Remember Me.

Aquele jogo que fez clique comigo para este género de narrativa por episódios foi Life Is Strange em 2015.

Desde então tenho acompanhado e jogado tudo o que a DONTNOD tem lançado e agora chegou a vez de experimentar Tell me Why.

Como não queria forçar-me a jogar todos os episódios só para ter esta review completa o quanto antes, decidi tentar ter uma experiência semelhante àquela que quem o comprar (ou jogar no Xbox Game Pass).

Sempre que joguei um episódio, fiz uma pausa de alguns dias para refletir e repensar nas decisões que tomei para me aproximar das sensações que qualquer outra pessoa irá ter.

O primeiro episódio foi lançado a 27 de agosto, o 2.º episódio foi lançado dia 3 de setembro e o último episódio foi chegou a 10 de setembro.

Tell Me Why - Capítulo Um - Trailer de lançamento

Tell Me Why é a última aventura da DONTNOD Entertainent e quem está a publicar este jogo é a Xbox Game Studios o que significa que o jogo está disponível para PC e Xbox One.

Começamos por conhecer os protagonistas do jogo, Alyson e Taylor.

Temos a possibilidade de jogar com os dois logo nos primeiros minutos do jogo e senti logo empatia com ambos.

Tanto Alyson como Taylor mostram-se personagens interessantes e fiquei logo com vontade de conhecer um pouco mais sobre as suas histórias.

Relativamente ao ponto do passado de ambos irmãos, este jogo tem uma maneira interessante de ficarmos a conhecer melhor as personagens.

Ao longo da nossa aventura temos a possibilidade de reviver pequenos momentos da infância.

Tyler a olhar para um montanha com gelo

Gostei muito desta mecânica porque, para além de trazer mais contexto à história, nunca me sinto forçado a ver esses momentos. É tudo de forma muito orgânica.

Um problema que tive, não propriamente com esta mecânica, foi com a forma como esta foi introduzida em Tell Me Why.

Sendo uma parte vital da história estava à espera que fosse introduzida de melhor forma; ou melhor, que a reação dos irmãos fosse outra. Isso poderia ter sido melhor trabalhada.

Sem querer entrar muito no caminho dos spoilers, a primeira vez que isto acontece é algo que me pareceu tão banal (e a própria reação dos irmãos) que fiquei a pensar se não me tinha escapado algo da história, mas não.

Por falar na história, tenho sentimentos mistos.

Por um lado, a história foi muito bem entregue pelos dois irmãos.

Sempre com uma quimica perfeita e as suas emoções e reações fizeram sempre acreditar na vericidade deles.

Por outro lado, a história não me foi muito cativante. Apesar de ter os seus momentos de suspense e surpresa, julgo que foi um pouco aborrecida e sempre que dava um passo ficava com a sensação que na verdade estava no mesmo sitio.

Isto pode ser dificil de explicar sem entrar pelo caminho dos spoilers, mas fica o meu registo de qualquer forma.

Algo que me recordo sempre dos jogos da DONTNOD, principalmente Life is Strange, são as suas músicas ou banda sonoras.

Fiquei muito desiludido quando terminei esta aventura perceber que quase não tivemos banda sonora de relevo.

Enquanto no 2.º episódio parecia que estava a melhorar, com alguma música e sons que me começavam a ficar no ouvido, foi muito curto mesmo.

Eu gostava de ter maneira de criticar a banda sonora do jogo, mas não tenho porque é quase inexistente e esperava muito mais por parte da DONTNOD.

Tyler e Alyson a verem memórias de crianças

Relativamente a vozes estou muito agradado com as dos protagonistas tanto como adultos como crianças.

Cada fala dos irmãos mostra que os atores perceberam as personagens e as suas motivações/sentimentos como raiva, angústia, preocupação, revolta, entre outros-

Os atores estão de parabéns porque conseguiram dar voz a estas personagens de uma forma que traz autenticidade a toda a narrativa e elevando a sua qualidade. Aliás, considero as vozes o ponto mais forte do jogo.

As personagens secundárias também são bem executadas com poucos defeitos a apontar.

No departamento gráfico/performance também estou bastante satisfeito.

Os modelos, objetos e mundo são bonitos e bem construídos.

O único ponto que poderia melhorar são as animações faciais, mas não foi algo que estragou a minha experiência.

Este jogo suporta Xbox Play Anywhere o que me permitiu jogá-lo tanto no PC como Xbox One X com o mesmo save-game.

No caso do PC o jogo tem requisitos baixos que um computador de gama média consegue correr facilmente a 60 FPS sem problema. Tive 0 problemas no PC.

Irmãos Taylor e Alyson a agarrar as mãos na cama

No caso da Xbox One X, Tell Me Why corre a 30FPS e para surpresa minha tem, em certas zonas, quedas de frames. Apesar de não serem muito incomodativos tendo em conta que o jogo não requer reflexos rápidos, fica a indicação. Não foi nada que se intrometesse na experiência.

Gostei dos ambientes criados pela DONTNOD em Tell Me Why. Cada espaço não é apenas um conjunto de objetos.

Grande parte destes espaços são pequenas histórias que juntando a nossa capacidade de reviver as nossas memórias de infância e interagir com os objetos presentes, cria uma sensação de ligação ao mundo de “Delos Crossing”, a cidade ficcional do jogo.

Existem muitos objetos e “coisas” com que podemos interagir em cada espaço que encontramos e isto ajuda-nos a compreender melhor a história.

Tell Me Why é daqueles jogos que deves estar sempre atento. Tem um preço acessível e caso tenhas o Xbox Game Pass aconselho-te a experimentares.

Não é o melhor jogo que a DONTNOD Entertainment já criou, mas é certamente um que vale a pena jogar na minha opinião.

No final de tudo, fiquei agradado com aquilo que joguei, mas senti algumas pontas soltas. Quem sabe se isto não é o começo de uma nova série. Eu espero que sim.

O código deste jogo foi gentilmente cedido pela Xbox Portugal a quem deixamos aqui o nosso obrigado.

REVIEW GERAL
Bom
7